Páginas

domingo, 22 de maio de 2011

A doçura da fragilidade

O sabor doce da fragilidade. Uma prosopopeia que não deveria existir! A vida tão cheia de cores, em segundos se torna branca-e-preta. Um arco íris com cores frias e ar gélido.

O mundo fica cinza. O dia perde a graça. A dor é tão profunda que parece que atingiu a nossa mais intima fragilidade.

Ambas fragilidades são diferentes. O doce e o amargo oscila, trocam de lado, se misturam, mudam a vertente. A prosopopeia volta a existir. Uma nostalgia sem tamanho passa a tomar conta de cada espaço existente.

O sorriso que emitia luz não mais se vê. O coração chora e em meio a soluços não consegue parar. O frio toma conta e tudo que parecia fazer barulho fica mudo. Silêncio de um coração que chora a fragilidade da vida.

O doce do amargo. O silêncio dos falantes. O gélido das cores vibrantes. A vida sem vida. A doçura da fragilidade que eu jamais quero provar.

3 comentários:

Lys Fernanda disse...

Ah fofa, você me entrete e diverte com as palavras. Gostei muito do texto e da sua clareza em explicitar seus sentimentos, concluindo àquilo que não queres sentir.
Beijos, obrigada pelo carinho.

Gabriela Marques disse...

Estava eu pensando outro dia em quão triste é nos apegarmos às coisas, se elas um dia partirão, assim como eu e você, nada é eterno. Até mesmo o doce cede.

Beijo
ótima semana a você
Obrigada por sua visita em meu cantinho, peço perdão pela ausência.

Amanda disse...

A fragilidade do ser - sentimento.
Lindo texto!!!
=)