Páginas

sábado, 10 de julho de 2010

O céu anda cinza

Os olhares se cruzaram. Uma. Duas. Três. Ou mais vezes. Decidira que já era hora de não mais resistir. Enfrentar a verdade. Ir de frente a avalanche que vinha correndo pela sua vida, e pela vida de quem ela amava.

Um abraço. Uma pergunta que calaria qualquer coração, porem, pergunta essa que fez o dela palpitar mais forte. Que fez doer la no fundo. Os braços não mais se envolviam. Ainda estavam juntos, embora ela nunca houvesse precisado estar em contato com ele para o sentir por perto.

Ela sempre o sentia. Todas as vezes que o coração se encontrava na palma da mão, ela o sentia por perto. Ele curava as feridas. Ela nunca soube o que exatamente ele fazia, qual o remédio que ele usava. Sabia apenas que surtia efeito. As palavras dele sempre soavam como canção de ninar. Mesmo quando eram gélidas. Ela sempre soube. Ele só queria o seu bem.

A mesma pergunta novamente foi feita. Uma exclamação por parte dele. Mais indagações. Outro abraço. Um beijo na bochecha. Ele a soltou olhou em seus olhos e falou, afirmou, como ele sempre fez, esbanjando confiança. E ela acreditava.

Os braços novamente se envolveram, ela sussurrou: "Não vai ser mais como antes". Lágrimas faziam tempestade, e corriam pelas bochechas as quais ele tinha como modo de irrita-la, as apertando. Ele a puxou novamente a olhou firme enquanto as lágrimas continuavam com o festival. E disse. Não sussurrando como ela. Disse o que ela passou a acreditar, disse o que ela pode acreditar: "Eu vou te ver".

12 comentários:

Wilian Bincoleto Wenzel disse...

As lágrimas são o início de todos os sintomas que um ser humano pode sentir ao se deparar com uma despedida.

Descrição envolvente e com gosto de "continue, pora favor...".

Até mais ver, moça.

Carlos Augusto Matos disse...

Posso dizer algo?
Eu vou passar a te ver sempre que tiver algo novo aqui... Tá?

Bjuxxx no coração!!!!!!!!!!!

Sara Santos disse...

bom texto!
beijinhos.

Paulo Vitor Cruz disse...

gracias pelas palavras no meu blog...

*massa o seu blog.. virarei seguidor..

besos.

LuanaGuimarães disse...

eu sei a dor de uma despedida ...
mas a felicidade do reencontro, nooooooooooooossaaaaaaaaaaaa. :D
obg pelo comentário lá. e estou seguindo !

DELUXE disse...

Oii tudo bem? Adoreei seu blog *-*
tô passando pra deixar nossa marquinha e lhe convidar para conhecer nosso o nosso.. (:
beeijOs

Deluxe

Marcus Malta disse...

Ótimo texto, realmente deixou um gostinho de continue, por favor rs

Beijos, seguindo.

Ariana disse...

A dor da despedida é a pior de todas ne, mais sempre fica o consolo de um possivel reencontro!
Fique bem!
Lindo texto!

bjos

Patrícia Azevedo disse...

Lindo texto.. parabéns!
Ficou com um gostinho de "quero mais.." rs
Estarei sempre por aqui, estou te seguindo!
Te espero lá no meu, viu?
Beijos, que Deus te abençõe querida!

Camila disse...

(Ela sempre o sentia. Todas as vezes que o coração se encontrava na palma da mão, ela o sentia por perto. Ele curava as feridas.)
que lindo *--*

Milena' disse...

Engraçado como os textos dos outros nos fazem imaginar sempre a nossa vida ali.
gostei daqui =)
:*

Carlos Augusto Matos disse...

Acompanhandoooooooooooooooo... Demais....

Bjuxxxx